quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Justiça condena Bruno

A Vara Criminal de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, condenou o ex- goleiro do Flamengo Bruno Fernandes a quatro anos e seis meses de prisão por cárcere privado, lesão corporal e constrangimento ilegal contra a ex-amante Eliza Samudio, de 25 anos em 2009. A informação é da defesa do atleta.
A sentença foi conhecida na noite de ontem. "Eu acabei de receber um telefonema da minha equipe para falar sobre a sentença, mas ainda não conheço o teor dela. Ainda preciso montar a linha de defesa", disse na manhã de hoje Márcio Carvalho de Sá, um dos advogados de Bruno.


De acordo com informações divulgadas pelo Tribunal de Justiça do Rio, Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão, também acusado de envolvimento no caso, foi condenado a três anos de prisão por cárcere privado. Juntos, Bruno e Macarrão ainda respondem a outro processo, sobre o desaparecimento de Eliza.
A defesa pretende recorrer da sentença. Porém, de acordo com o TJ, os condenados não terão o direito de recorrer em liberdade.

Desaparecimento de Eliza

Bruno é acusado pelo desaparecimento da ex-amante, vista pela última vez em junho.
Em 2009, Eliza teria registrado queixa na Deam (Delegacia Especial de Atendimento à Mulher), acusando-o de sequestro, agressão e ameaça. Na ocasião, ela disse que o ex-goleiro tentou obrigá-la a abortar um filho que seria dele. Bruno negou todas as acusações. Em julho deste ano, Bruno foi acusado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro pelos crimes de sequestro, cárcere privado e de lesão corporal contra Eliza.
Além do ex-goleiro do Flamengo e de Macarrão, outras sete pessoas estão envolvidas no caso: Dayanne Souza (mulher de Bruno), Fernanda Gomes Castro (ex-namorada de Bruno), Elenilson Vitor da Silva (administrador do sítio de Bruno), Wemerson Marques de Souza (o Coxinha), Flávio Caetano de Araújo e Sérgio Rosa Sales, o Camelo (primo de Bruno).
O ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, mais conhecido como Bola, também é acusado por dois desses crimes: homicídio triplamente qualificado e ocultação do cadáver da ex-amante do goleiro.
No próximo dia 10, a juíza Marixa Fabiane Lopes, do Tribunal de Júri de Contagem (MG), irá decidir se Bruno e Macarrão, além de outros suspeitos dos crimes, irão a júri popular.
Fonte: Jornal Jurid
Compartilhe este post:

Nenhum comentário:

Postar um comentário