quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Governo decide reduzir valor para tratamento de câncer

Maria Donizeti da Silva, 55, paciente do Hospital A.C Camargo, em SP, durante sessão de quimioterapia

Duas novas portarias publicadas pelo Ministério da Saúde às vésperas do Natal e que passaram a valer nesta semana reduziram o valor de tratamentos de pacientes do SUS com linfoma e leucemia mieloide crônica. A informação é da reportagem de Cláudia Collucci publicada na edição desta quinta-feira da Folha (íntegra está disponível para assinantes do jornal e do UOL).
De acordo com o texto, as reduções vão de 9% a 22%. Hospitais apontam que o valor a ser pago pelo governo é incompatível com os gastos no tratamento dos pacientes. Um dos tratamentos afetados é o de linfoma difuso de grandes células B, câncer linfático que acometeu a presidente Dilma Rousseff há quase dois anos.
O valor pago pelo governo federal por procedimento quimioterápico caiu R$ 6.804 para R$ 6.164. Segundo médicos e hospitais, a quantia agora só cobre um dos remédios usados no tratamento, o rituximab, droga de última geração usada por Dilma. Outras quatro substâncias (ciclofosfamida, doxorrubicina, vincristina e prednisona) que fazem parte do esquema quimioterápico não estariam cobertas.
OUTRO LADO
O Ministério da Saúde afirma que as reduções de valores previstas nas portarias publicadas em dezembro apenas refletem a economia que o governo teve ao adquirir medicamentos a preços menores, e que não há corte de verba para a oncologia.
"Pelo contrário, já no início do segundo semestre, houve um investimento de quase R$ 500 milhões em radioterapia e quimioterapia", afirma Inez Gadelha, diretora do departamento de atenção especializada do ministério.
Alessandro Shinoda/Folhapress
Maria Donizeti da Silva, 55, paciente do Hospital A.C Camargo, em SP, durante sessão de quimioterapia

Nenhum comentário:

Postar um comentário