quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Substância que inibe espermatozoide pode virar pílula masculina, diz estudo

De tempos em tempos, cientistas conduzem estudos que os fazem acreditar que a pílula anticoncepcional masculina está cada vez mais perto de se tornar real. Desta vez, pesquisadores de três universidades americanas publicaram na revista "Cell" a descoberta de uma substância que pode virar um comprimido para os homens controlarem a própria fertilidade.
Os testes foram feitos com camundongos machos, que ficaram estéreis, mas não tiveram prejuízos no desempenho sexual, nas taxas de testosterona nem no comportamento.
Além disso, os autores – do Instituto do Câncer Dana-Farber, ligado à Universidade de Harvard, da Universidade de Washington e da Faculdade de Medicina Baylor, no Texas – não observaram efeitos colaterais nos futuros filhotes.
O novo composto, chamado JQ1, é livre de hormônios – ao contrário da pílula feminina, que costuma misturar doses de estrogênio e progesterona. A substância inibe uma proteína presente nos testículos de camundongos e homens, conhecida como BRDT, que é essencial para a fertilidade. Dessa forma, as cobaias começaram a produzir menos espermatozoides e, mesmo quando os fabricavam, eles não se locomoviam direito.
Assim que os animais pararam de fazer esse controle de natalidade, os gametas se recuperaram rapidamente e readquiram a capacidade de procriação, de forma saudável, destaca o principal pesquisador, James Bradner.
A grande dificuldade da ciência em formular um anticoncepcional masculino está justamente no fato de que as drogas precisam entrar na corrente sanguínea, chegar até os testículos e atingir as células produtoras de esperma, o que esse estudo parece prometer.

 Camundongo (Foto: Harvard University/University of Washington/Baylor College of Medicine/Divulgação)

Avaliação de especialista
Na opinião do urologista Marcelo Vieira, do Hospital Albert Einstein e do Instituto H. Ellis, especializado em sexualidade e reprodução humana, a ideia de uma pílula para o homem é antiga e serve para dividir entre o casal a responsabilidade de controlar a concepção.
"O primeiro contraceptivo estudado era à base de testosterona, mas havia problemas de retorno na produção de espermatozoides após o uso", explica. Por essa razão, tem-se procurado uma droga sem hormônios, segura, de fácil administração e com uma volta rápida dos gametas.
Vieira foi em maio a um congresso da Associação Americana de Andrologia, em Tucson, no Arizona, EUA, onde foram apresentados estudos de dois novos medicamentos não hormonais em camundongos – um deles é o mencionado nesta reportagem.
"Os resultados em animais mostram que a droga é segura, que o retorno à normalidade acontece em um curto prazo e não existem outros efeitos importantes. A medicação estava entrando em uma fase diferente de testes, com ajuste de doses e administração, para ver se uma dose maior com um menor número de ingestões teria um efeito melhor que o contrário, por exemplo", destaca o médico.

Nenhum comentário:

Postar um comentário