sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Fazenda sobe previsão de inflação para este ano, mas baixa para 2012 Estimativa anterior para a inflação do próximo ano era de 4,8%. IPCA mostra 'sinais evidentes de arrefecimento', diz Ministério da Fazenda.



O Ministério da Fazenda elevou, de 5,8% para 6,4%, a sua previsão para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deste ano, ao mesmo tempo em que reduziu a sua estimativa para 2012 de 4,8% para 4,7%.


Pelo sistema de metas de inflação, que vigora no Brasil, o BC tem de calibrar os juros para atingir as metas pré-estabelecidas, tendo por base o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Neste momento, a autoridade monetária já está nivelando a taxa de juros para atingir a meta do próximo ano.

Para 2011 e 2012, a meta central de inflação é de 4,5%, com um intervalo de tolerância de dois pontos percentuais para cima ou para baixo. Deste modo, o IPCA pode ficar entre 2,5% e 6,5% sem que a meta seja formalmente descumprida. O BC busca trazer a inflação para o centro da meta de 4,5% em 2012.

As previsões do Ministério da Fazenda para o IPCA deste ano, e do próximo, estão acima da meta central de inflação de 4,5% fixada para os dois anos. Entretanto, estão dentro da banda de tolerância de dois pontos percentuais para cima ou para baixo.

"Como previsto, a inflação brasileira medida pelo IPCA já mostra sinais evidentes de arrefecimento (...) Daqui em diante, espera-se que a inflação desacelere sucessivamente nos próximos meses. De acordo com o Relatório de Inflação divulgado pelo Banco Central do Brasil em setembro, o IPCA deve encerrar 2011 com variação anual de 6,4% e convergir para o centro da meta de 4,5% em 2012-2013.", informou o Ministério da Fazenda.

Nenhum comentário:

Postar um comentário