sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Governo destina R$ 10,3 mi para combater obesidade


O Ministério da Saúde vai destinar R$ 10,3 milhões para identificar casos de excesso de peso em unidades e academias de saúde. Segundo Pesquisa de Orçamento Familiar (POF), de 2008-2009, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), metade dos adultos apresentam excesso de peso e 12,4% dos homens e 16,9% das mulheres são obesos no país. Um plano nacional está previsto para ser anunciado em 2012.

 Para reforçar ações de prevenção e controle da obesidade, o Ministério da Saúde liberou os recursos para a compra de equipamentos que vão auxiliar na identificação de casos de excesso de peso em unidades de saúde e em academias da saúde, espaços públicos destinados à prática de atividades físicas e promoção de hábitos saudáveis.

O repasse foi estabelecido pelas portarias 3156 e 3157, publicadas nesta semana no Diário Ofic ial da União. A pasta prepara um plano nacional contra a obesidade, que deve ser divulgado no início de 2012.

As unidades de saúde terão antropômetros - instrumentos para aferir altura –, balanças pediátricas para crianças menores de 2 anos, balanças com maior capacidade de mensuração, adequadas para diagnóstico de obesidade mórbida além de fitas antropométricas. A portaria 3.156 habilita os municípios a receber R$ 3 mil por Unidade Básica de Saúde.

Serão contempladas com o repasse unidades de saúde em 1.796 municípios em todo país, com adesão homologada ao Programa Nacional de Melhoria do Acesso e Qualidade da Atenção Básica (PMAQ-AB).

As academias da saúde já em funcionamento começarão a receber o incentivo de custeio do Ministério da Saúde e passarão a contar também com antropômetros, balanças e fitas antropométricas. Outra portaria (3.157) habilita os municípios a receber recursos para a estruturação da Vigilância Alimentar e Nutricional, no valor de R$ 1,5 mil por polo do Programa Academia da Saúde. Os polos receberão ao todo R$ 133,5 mil reais para a compra desses equipamentos.

“Trata-se de mais um esforço para prevenir e controlas a obesidade e as doenças crônicas relacionadas”, ressalta o coordenador adjunto de Alimentação e Nutrição do Ministério da Saúde, Eduardo Nilson. Ele lembra que no Brasil, as doenças crônicas não transmissíveis, que têm como fatores de risco a inatividade física, a alimentação não saudável, o sobrepeso e obesidade, respondem por 72% das mortes.

Obesidade

A obesidade relaciona-se com altos níveis de gordura e açúcar no sangue, excesso de colesterol e casos de pré-diabetes. A obesidade também está ainda associada a, doenças cardiovasculares, principalmente isquêmicas (infarto, trombose, embolia e arteosclerose), além de problemas ortopédicos, asma, apnéia do sono, alguns tipos de câncer, esteatose hepática e distúrbios psicológicos. A doença é, também, fator de risco para problemas de pele e infertilidade.

A POF de 2008-2009 aponta que uma em cada três crianças de 5 a 9 anos estão com peso acima do recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e pelo Ministério da Saúde. O percentual de jovens de 10 a 19 anos com excesso de peso passou de 3,7%, em 1970, para 21,7%, em 2009.

Com informações da Agência Saúde do Ministério da Saúde

Por Debora Pinheiro, da Agência Saúde – Ascom/MS

Nenhum comentário:

Postar um comentário