terça-feira, 17 de abril de 2012

Transplante de medula em idosos ganha novas técnicas





Médicos estão buscando novos métodos para realizar transplantes de medula em uma parcela da população que poucos imaginam como alvo tratamento, tão associado a adultos jovens e crianças: os maiores de 60 anos.

Ao mesmo tempo que correm um risco maior de desenvolver doenças do sangue como a leucemia mieloide aguda, pessoas dessa faixa etária não recebiam recomendação de transplante, por causa dos riscos do tratamento.



Agora, além de poderem fazer o transplante, os mais velhos começam a ter a possibilidade de ser tratados de forma mais eficaz.

Segundo o hematologista Vanderson Rocha, há 15 anos, nem se tentava o transplante para maiores de 55 anos.

O procedimento é feito nos cânceres hematológicos para reiniciar a produção de células do sangue sadias.
Marisa Cauduro/Folhapress

Bernardo Kogan,67, empresário que há um ano recebeu um transplante de medula doada por seu irmão


Antes do transplante, o paciente é submetido a uma quimioterapia forte que mata as células cancerosas e também as saudáveis da medula óssea, a “fábrica do sangue”.

Os remédios usados nesse tratamento são fortes e tóxicos. “Isso pode levar o paciente à morte”, diz Rocha.

Uma forma de contornar esse problema é usar combinações mais “fracas” de remédios, que não chegam a acabar com as células da medula antes do transplante. O método pode ser usado tanto em pacientes idosos quanto em jovens mais debilitados, que não resistiriam à terapia convencional.

Rocha, do Hospital Sírio-Libanês, diz que o risco, nesse caso, é a doença voltar.

Mas, segundo o hematologista Nelson Hamerschlak, do Hospital Israelita Albert Einstein, já é possível usar, para esses pacientes mais velhos, métodos de transplante tão eficazes quanto os recomendados para os jovens.

A necessidade do tratamento é uma questão matemática. Segundo estudo na revista “Blood”, a leucemia mieloide aguda aumenta de até 3,9 casos por 100 mil entre pessoas com até 60 anos para até 19,2 casos por 100 mil na faixa acima dos 60. A doença afeta a produção de células sanguíneas e deixa o doente exposto a infecções.

Hamerschlak diz que os remédios usados no tratamento estão evoluindo e se tornado menos tóxicos.

Um estudo conduzido com 79 pacientes com mais de 55 anos, parte deles tratada no Einstein nos últimos cinco anos, mostrou uma sobrevida de 70% em dois anos para aqueles em primeira remissão da doença -que tinham feito um tratamento de químio e conseguiram fazer a leucemia recuar.

“O grande recado desse estudo é que não devemos relegar o idoso a um tratamento menos eficaz. Hoje, essas pessoas são até descartadas [da possibilidade de fazer um transplante]. Os próprios médicos não estão preparados”, diz Hamerschlak.

Outra alternativa é usar também remédios que aumentam a força das células transplantadas contra as cancerosas que ainda restarem no corpo do doente.

O esforço se justifica: a maior causa de morte dos pacientes mais velhos é a volta da doença, enquanto que para os mais jovens os problemas mais comuns são as complicações do próprio transplante.

Folha Online

Nenhum comentário:

Postar um comentário