quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Ministro chama PM de 'desqualificado' e exige provas de denúncia



Orlando Silva também disse que vai pedir para "acelerar" as investigações e o julgamento dos processos que envolvem as entidades do denunciante.

O ministro Orlando Silva voltou a atacar na tarde desta terça-feira (18) o policial militar João Dias Ferreira, que fez as acusações de que ele recebia propina de entidades do programa Segundo Tempo.

Silva também disse que vai pedir para "acelerar" as investigações e o julgamento dos processos que envolvem as entidades do denunciante.

O ministro compareceu na tarde desta terça-feira à audiência conjunta na Câmara dos Deputados das comissões de Fiscalização Financeira e Controle e de Turismo e Desporto. Foi o próprio ministro que acertou sua ida para a Câmara para esclarecer as denúncias contra ele.



O ministro do Esporte, Orlando Silva, presta esclarecimentos à Câmara

Ele começou apresentando todas as suas ações na pasta e depois passou a atacar o policial Militar. "Quem faz a agressão? Eu aconselho que procurem informações. Trata-se de um desqualificado, um criminoso, uma pessoa que foi presa, uma fonte bandida", disse o ministro. Ele foi aplaudido em diversos momentos e ouviu gritos de apoio no plenário, formado praticamente apenas por governistas.

Silva disse que vai pedir ao Ministério Público e ao Tribunal de Contas da União para "acelerar" os trâmites das ações contra o policial militar, que pode precisar reembolsar os cofres públicos com os recursos que haviam sido repassados pelo programa Segundo Tempo e que não foram usados.

O ministro também exigiu mais uma vez as provas em relação às denúncias do último fim de semana e contou que houve "insinuações" de ameaças por seus acusadores no passado. "Se há o que denunciar, que faça. Faça e prove o que diz. Até aqui esse desqualificado falou e não provou o que diz. Quem tem provas do mal feito por eles sou eu e elas estão aqui."

Na mesma audiência, o deputado federal Vaz de Lima (PSDB-SP) também entregou um requerimento para a instalação de uma CPI para apurar as denúncias de irregularidades no programa Segundo Tempo.

ENTENDA O CASO

Dois integrantes de um suposto esquema de desvio de recursos do Ministério do Esporte acusam Silva de participação direta nas fraudes, segundo reportagem publicada pela revista "Veja".

O soldado da Polícia Militar do Distrito Federal João Dias Ferreira e seu funcionário Célio Soares Pereira disseram à revista que o ministro recebeu parte do dinheiro desviado pessoalmente na garagem do ministério.

Localizado anteontem pela Folha, Pereira confirmou a acusação contra o ministro. Orlando Silva afirmou que já acionou o ministro da Justiça para que a Polícia Federal investigue o esquema relatado.

O ministro disse ainda que as acusações podem ser uma reação ao pedido que fez para que o TCU investigue os convênios do ministério com a ONG que pertence ao policial autor das denúncias.

Em nota divulgada anteontem, o Ministério do Esporte disse que João Dias firmou dois convênios com a pasta, em 2005 e 2006, que não foram executados. O ministério pede a devolução de R$ 3,16 milhões dos convênios.

De acordo com o ministro, desde que o TCU foi acionado, integrantes de sua equipe vêm recebendo ameaças.
Fonte: Folha Online

Nenhum comentário:

Postar um comentário