sábado, 11 de dezembro de 2010

Número de analfabetos cai no Brasil, mas cresce em cinco estados, diz Ipea

Queda no número absoluto foi de 7% em todo o país. Levantamento com dados da Pnad foi divulgado nesta quinta-feira (9).

Estudo feito pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgado nesta quinta-feira (9) aponta que o número absoluto de analfabetos brasileiros com 15 anos ou mais caiu 7% entre os anos de 2004 e 2009. No entanto, no mesmo período cinco estados registraram aumento deste contingente. Hoje, o Brasil tem 14.104.984 de analfabetos.
O levantamento foi feito com base em dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad).
saiba mais


  • Brasil melhora média, mas fica entre piores em ranking de ensino da OCDE
  • Estudantes do Distrito Federal têm a melhor média do Pisa
  • 'Temos um século de desvantagem, mas há um caminho', diz Haddad
  • Analfabetismo é maior entre pessoas com mais de 25 anos, diz Ipea
Em números absolutos, a redução de analfabetos corresponde a pouco mais de um milhão de pessoas em todas as regiões do país. Em termos relativos, a taxa de analfabetismo passou de 11,5% para 9,7%.
Os cinco estados que tiveram crescimento no número absoluto de analfabetos foram Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Santa Catarina, Rondônia e Acre. Em termos relativos, a taxa de analfabetismo cresceu somente em dois estados: Santa Catarina (subiu de 4,8% para 4,9%) e Mato Grosso (subiu de 10,1% para 10,2%).
A região Centro-Oeste apresentou a menor queda do número absoluto de analfabetos (1,6%), uma vez que os estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul tiveram aumento deste contingente. A queda na taxa de analfabetismo nessa região foi de 13%.
A redução do número de analfabetos da região Sul ficou abaixo da média nacional (7,3%), devido ao aumento ocorrido em Santa Catarina (14%).
Os dados mais positivos vêm das regiões Norte e Nordeste, que registraram as maiores quedas nas taxas. O Nordeste reduziu 16,6% a taxa de analfabetismo e todos os estados da região tiveram queda em termos absolutos e relativos.
No Norte, a taxa de analfabetismo teve redução de 17%. O destaque foi o Amapá, onde o índice caiu 66%. A taxa de analfabetismo neste estado passou a ser a mais baixa do Brasil: 2,8%.
Na região Sudeste, a redução do contingente de analfabetos foi ligeiramente menor que a média nacional (6,6). Apenas o Rio de Janeiro registrou índice favorável (12,3%).
Confira as taxas de analfabetismo da população de 15 a 64 anos, segundo dados da Pnad:

RegiãoTaxa de analfabetismo em 2009
Nordeste15,0%
Norte8,1%
Centro-Oeste5,5%
Sul3,7%
Sudeste3,7%

EstadoTaxa de analfabetismo em 2009EstadoTaxa de analfabetismo em 2009
Alagoas20,8%Mato Grosso do Sul6,2%
Piauí19,2%Espírito Santo6,0%
Paraíba18,0%Minas Gerais5,7%
Maranhão14,9%Goiás5,6%
Ceará14,9%Roraima5,0%
Rio Grande do Norte14,7%Amazonas5,0%
Pernambuco14,2%Paraná4,6%
Sergipe14,1%Santa Catarina3,3%
Bahia13,0%Rio Grande do Sul3,1%
Acre12,7%São Paulo3,0%
Pará9,8%Rio de Janeiro2,8%
Tocantins9,2%Distrito Federal2,5%
Rondônia7,5%Amapá1,5%
Mato Grosso7,3%



Idosos 
O maior número de analfabetos brasileiros tem 65 anos ou mais. A taxa de 34,4% caiu para 30,8%, entre os anos de 2004 e 2009. Segundo o Ipea, apesar da queda, houve um aumento em número absolutos da ordem de 490 mil analfabetos.
A pesquisa ainda revela que o índice de analfabetismo é maior entre os moradores das áreas rurais (23%) do que na das urbanas (7%). Há diferença também dos níveis de analfabetismo entre brancos (5,9%) e negros (13,4%).
Outro fator que evidencia as disparidades é a renda. O estudo do Ipea aponta que o analfabetismo entre pessoas que estão na faixa de renda familiar per capita maior que três e menor que cinco salários mínimos é cerca de 20 vezes menor que as pertencentes à faixa de até um quarto de salário mínimo.
Do G1, em São Paulo




7,3%













Nenhum comentário:

Postar um comentário