quarta-feira, 6 de junho de 2012

Financiamento do imóvel vai a 35 anos na Caixa; juro baixa

Novas taxas e maior prazo podem reduzir o valor de parcelas para compra do imóvel nas regras anteriores
São Paulo/Brasília/Fortaleza. A Caixa Econômica Federal ampliou de 30 anos para 35 anos o prazo de financiamentos habitacionais com recursos da poupança. O banco anunciou ainda a redução de juros de financiamentos do SFH (Sistema Financeiro de Habitação) de 9% ao ano para 8,85% ao ano, podendo chegar a 7,8% ao ano, dependendo do relacionamento do cliente com a instituição.


Novas medidas permitem adquirir imóvel melhor do que o que se compraria com regras anteriores ou o mesmo com prestação menor FOTO: WALESKA SANTIAGO

Para financiamentos fora do SFH, caiu de 10% ao ano apenas para 9,9% ao ano, podendo cair para 8,9% ao ano, a depender do perfil. Segundo o vice-presidente de Governo e Habitação do banco, José Urbano Duarte, um mutuário com renda familiar de R$ 10 mil poderia financiar até R$ 267 mil pelas regras anteriores. Com a mudança, seu limite de financiamento, para pagamento em 35 anos, pode aumentar para R$ 280 mil. "Se essa mesma pessoa for cliente da Caixa, por meio de conta salário, poderá financiar até R$ 303 mil", informou o banco.

Parcelas reduzidas

Ainda segundo o banco, as novas taxas de juros e o maior prazo de pagamento podem reduzir o valor das parcelas para o mesmo imóvel que seria comprado pelas regras anteriores.

"Para um financiamento no valor de R$ 267 mil a prestação cai de R$ 3.000 para R$ 2.604, uma redução de 13%, para cliente com relacionamento Caixa nas novas condições de taxa e prazo", informou Duarte. "Com essas mudanças, nós esperamos que as pessoas tenham condições de comprar um imóvel melhor do que aquele que comprariam com as regras atuais. Ou o mesmo imóvel, pagando uma prestação menor".

Carteira

Segundo Duarte, entre 3% a 4% do valor total do crédito habitacional está financiado dentro do prazo máximo em vigor hoje, de 30 anos. O prazo médio é atualmente um pouco superior a 20 anos. Ele informou que, nos primeiros cinco meses do ano, a Caixa financiou R$ 36,66 bilhões dentro de sua carteira de imóveis, valor 46% maior que o registrado em igual período do ano passado (R$ 25,06). Para 2012, a estimativa do banco é que o valor financiado chegue a até R$ 100 bilhões, contra R$ 80 bilhões de 2011.

Operações no Ceará

No Ceará, até 30 de maio último, a Caixa contratou 4.520 operações de financiamento habitacional, somando um investimento de R$ 534,5 milhões. A média de valor contratado é de R$ 118.252,00.

Os investimentos com origem do FGTS representam 3.003 financiamentos, um total de R$ 277,1 milhões. Do SPBE, são 1.517 operações, o que somam R$ 257,4 milhões. A expectativa da Caixa para o Estado é superar a marca de investimento de 2011, que foi de R$ 1,2 bilhão, em 13.598 contratações.

Taxas para construtoras

A Caixa reduziu também juros para pessoas jurídicas, para financiamento de unidades residenciais, que passou de 11,5% para 10,3% no programa Plano Empresa da Construção Civil, podendo cair para 9% para clientes do banco. O prazo desses financiamentos foram ampliados de 24 meses para 36 meses.

O programa é destinado a construtoras e incorporadoras.

Para imóveis comerciais, a Caixa cortou os juros de 14% para 13% até 11%. Para financiamento de imóvel próprio, a pessoa jurídica pagará entre 11,5% e 12,5% - a taxa era de 13,5%.

Banco do Brasil

O Banco do Brasil também anunciou, na semana passada, redução na taxa de juros para o crédito imobiliário. Para imóveis de até R$ 500 mil, a taxa foi reduzida de 10% ao ano para 8,9%. No caso de imóveis com valor acima de R$ 500 mil, a taxa caiu de 11% ao ano para 10%. As taxas são acrescidas com a TR (Taxa Referencial).

O banco também criou um novo modelo de composição de taxas que dá desconto de 0,5 ponto percentual para o cliente que pagar as prestações em dia e mais 0,5 pp para quem possuir conta salário no banco. No caso de imóveis de até R$ 500 mil, a taxa cai para 8,4%, se o cliente pagar as prestações sem atraso. Se também tiver conta salário no banco, a taxa chega a até 7,9%.

Para imóveis acima do limite de R$ 500 mil, a taxa pode passar de 10% ao ano para 9,5%, se o cliente for pontual no pagamento, e 9%, se mantiver a conta salário no banco. Em todos os casos, é preciso acrescentar a variação da Taxa Referencial (TR).

OPINIÃO
Benefício para quem tem renda de 3 a 6 mínimos
Roberto Sérgio Ferreira
Presidente do Sinduscon/CE

A ampliação do prazo para financiamento imobiliário na Caixa é grande facilitador para quem recebe salários mais baixos e tinha dificuldade de acesso ao crédito. Essa mudança vai beneficiar famílias que recebem entre três e seis salários mínimos. A medida é espetacular. Tomara que não tenha restrição. Mas não deixa de ser um indutor de desenvolvimento. O déficit habitacional é de cerca de 160 mil moradias no Estado, sendo que aproximadamente 30% estão na Capital. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário