segunda-feira, 23 de julho de 2012

Greve da Polícia Civil de PE começa com 30% dos serviços mantidos


Os policiais civis de Pernambuco entraram em greve por tempo indeterminado na madrugada desta segunda-feira (23). A greve foi decretada em assembleia na semana passada, após cinco meses de campanha salarial e seis assembleias, seguidas de paralisações, atos de protesto e passeatas, segundo o Sindicato dos Policiais Civis de Pernambuco (Sinpol-PE).
Cláudio Marinho, presidente do Sinpol/PE (Foto: Katherine Coutinho/G1)Cláudio Marinho, presidente do Sinpol/PE
(Foto: Katherine Coutinho/G1)
O estado tem aproximadamente 6 mil policiais civis, sendo 500 delegados, 50 médicos legistas e 130 peritos criminais. O sindicato informou que 30% dos serviços essenciais serão mantidos. "A partir do meio-dia vamos ter uma estimativa de quanto houve de adesão de fato. Acreditamos que estamos em 70%. Desde as 20h de ontem [domingo, 22], passamos pelas delegacias, colocamos faixas sinalizando a greve", explica Cláudio Marinho, presidente do Sinpol-PE.
A categoria reivindica reajuste salarial, melhorias das condições de trabalho, pagamento de adicional noturno e vale refeição, entre outros pontos. Uma nova assembleia está marcada para quinta-feira (26), para avaliar o movimento. "Antes disso, é paralisação mesmo", afirma Marinho. Panfletos estão sendo entregues à população explicando a greve e o que funciona.
Maria Jucilânia de Lima tentou prestar queixa sobre o desaparecimento da filha (Foto: Katherine Coutinho/G1)Jucilânia procurou a delegacia por conta da filha
desaparecida (Foto: Katherine Coutinho/G1)
A Delegacia de Boa Viagem, na Zona Sul do Recife, estava vazia na manhã desta segunda. No complexo de delegacias da Siqueira Campos, no centro da capital pernambucana, a cozinheira Maria Jucilânia de Lima Assis não queria saber da greve. "Minha filha desapareceu desde quinta (26). Não quero saber de greve, quero é a minha filha", reclama Maria Jucilânia, que veio de Bezerros, no Agreste, por que teve notícias que a filha teria vindo para o Recife.
O auxiliar de pedreiro Lourinaldo Santos foi pego de surpresa, mesmo com os avisos de greve. Ele perdeu o cartão do Bolsa Família e foi orientado pelo banco a procurar uma delegacia para registrar a ocorrência. "Eu não sei ler, não sei como vou fazer para registrar o boletim de ocorrência. Não sei essas coisas de internet", conta Santos. A vendedora Mariluce Silva já se mostrou mais compreensiva. "Eles precisam lutar pela causa deles. Prefiro o delegado de verdade, mas vou registrar o roubo da minha carteira pela internet mesmo", diz Mariluce.
Serviços
Flagrantes com a presença de delegado e ida aos locais de crimes serão realizados pelas equipes que estiverem nas delegacias de plantão nos bairros de Casa Amarela, Cordeiro, Boa Viagem, Paulista, Prazeres, Olinda, Santo Amaro e Várzea. No interior, esse trabalho será feito pelas equipes das delegacias seccionais. "Em casos de flagrante, serão coletados os primeiros indícios, mas só vamos proceder à investigação ao fim da greve", explica Cláudio Marinho, presidente do Sinpol-PE.
Segundo a categoria, não vai haver registro de boletim de ocorrência, mas o serviço virtual da Delegacia Interativa será mantido. Investigações e ouvidas de testemunhas serão suspensas, mandados de prisão não serão cumpridos e o Instituto de Identificação Tavares Buril (IITB) funcionará parcialmente, o que poderá causar atraso na entrega das identidades. O Instituto Médico Legal (IML) não aderiu à greve e continua funcionando normalmente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário