quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Diversidade marca 12ª edição da Mostra Cariri




Um diversificado palco das mais variadas manifestações artísticas e culturais, contendo espetáculos de teatro, dança, exposições, shows, instalações, rodas literárias, performances poéticas e mostras de cinema e vídeo é o panorama da 12ª edição da Mostra Cariri.

O circuito, programado para acontecer de 12 a 17 de novembro, reúne no sul do estado, na região do Cariri, desde grupos tradicionais, que representam a memória cultural da região - como reisados, bandas cabaçais, maneiro pau, lapinhas, pastoris, guerreiros e congadas – até produções experimentais de arte contemporânea, abrangendo tendas literárias, ações formativas, mostras de ruas, e outros infindáveis acontecimentos.

Realizado pelo Departamento Nacional do SESC e pelo SESC Ceará, a mostra se espalha por teatros, galerias de arte, galpões e clubes, em ruas e praças, cortadas por cortejos chamando a população para participar.

No cenário artístico da Mostra, seis países e 12 estados da federação farão parte do contexto abrangente do evento. Inserido num cronograma programático, este ano nas artes cênicas, estão previstos 107 apresentações, envolvendo cerca de 300 artistas. No núcleo audiovisual, serão exibidos 78 filmes entre curtas e longas da produção cinematográfica cearense. Na seção literária, uma programação que inclui um jornal literário, recitais de poesias, oficinas de troca de experiências e lançamento de cordel.
O circuito Patativa do Assaré irá levar espetáculos a nove municípios do cariri cearense (Farias Brito, Altaneira, Caririaçu, Missão Velha, Campus Sales, Araripe, Assaré, Santana do Cariri e Potengi). E, a partir do dia 19 de novembro, o caldeirão artístico cultural do Cariri chega em Fortaleza, onde acontecem espetáculos para todos os públicos se estendendo até o dia 21, data do encerramento oficial. Na capital cearense estão incluídos 14 espetáculos teatrais.

De acordo com a gerente do programa Cultura do SESC-CE e coordenadora da Mostra Cariri, Dane de Jade, “a Mostra tornou-se um importante espaço de intercâmbio de linguagens artísticas, estabelecendo o convívio salutar entre a obra de arte e o público. Celebração de povos de todos os cantos do mundo, ela amplia a dimensão da cultura para muito além do espetáculo, promovendo atividades formativas, para fruição e discussão, democratizando o acesso a artes cênicas, música, artes visuais, tradição, artesanato, literatura e audiovisual.”

Os destaques e as novidades da mostra de 2010 incluem a ampliação do núcleo Tradição, no incremento das Terreiradas, espécie de encontros promovidos nas casas de mestres populares, com apresentação de folguedos para as comunidades, o enfoque na produção local audiovisual, e o programa Música da Sala, um local específico e apropriado para apreciação de um refinado repertório.

Enquanto a mostra estiver no Cariri, as apresentações vão se concentrar em locais como o SESC Crato, o Centro Cultural Araripe, a Praça da Sé, o Teatro Municipal de Crato, o Largo do Memorial, a Escola de Artes Reitora Violeta Arraes Gervaiseau, o Teatro Violeta Arraes, o Centro Cultural do Araripe (REFFSA) e o Largo do Casarão. Os artistas que participam da mostra, entretanto, também descem do palco, transformando o público em parte do espetáculo.

A estrutura da Mostra foi dividida em núcleos: Artes Cênicas, Música, Artes Plásticas, Literatura, Gastronomia, Artes Visuais e Audiovisual, incorporando, além de manifestações artísticas, os hábitos, costumes e crenças do Cariri e de cada região do Brasil, elementos que formam a pluralidade e, ao mesmo tempo, determina a singularidade do país.

Nenhum comentário:

Postar um comentário