sexta-feira, 4 de março de 2011

EM 12 MESES Inflação para baixa renda acumula alta de 6,8%

Em fevereiro, a variação do índice foi de 0,32%, puxada pelos grupos despesas diversas e habitação
São Paulo Os preços para a baixa renda, medidos pelo IPC-C1 (Índice de Preços ao Consumidor - Classe 1), apresentaram variação de 0,32% em fevereiro, levando o indicador acumulado no ano para 1,72% e, nos últimos 12 meses, a 6,79%, segundo os dados divulgados hoje pela FGV (Fundação Getulio Vargas). O índice é calculado a partir das despesas das famílias com renda mensal entre um e 2,5 salários mínimos.



A inflação geral, de acordo com o IPC-BR, teve variação de 0,49% e, em 12 meses (6,02%), está abaixo do IPC-C1. Cinco das sete classes de despesa componentes do índice apresentaram redução na taxa de variação: transportes (5,11% para 0,89%), educação, leitura e recreação (3,51% para 0,25%), alimentação (1,32% para 0,05%), vestuário (0,06% para -0,20%) e saúde e cuidados pessoais (0,27% para 0,11%).

Os itens que mais contribuíram para esses movimentos foram tarifa de ônibus urbano (5,52% para 0,70%), curso de educação infantil pré-escolar (8,43% para 0,00%), hortaliças e legumes (13,09% para 3,05%), roupas (-0,03% para -0,39%) e artigos de higiene e cuidado pessoal (0,38% para 0,09%). Em contrapartida, os grupos despesas diversas (0,45% para 2,02%) e habitação (0,26% para 0,38%) apresentaram acréscimos em suas taxas de variação, puxados por cigarros (0,09% para 2,68%) e aluguel residencial (0,58% para 0,75%).

Nenhum comentário:

Postar um comentário