quarta-feira, 2 de maio de 2012

Crato-CE: DIA DO TRALHADOR Manifestação mobiliza 10 mil agricultores no Carir



Pastoral da Terra prevê elaboração de projetos para captar recursos que financiarão obras de abastecimento



Neste ano sem chuvas, muitos trabalhadores rurais contabilizam perdas FOTO: YAÇANÃ NEPONUCEN
Crato Cerca de 10 mil pessoas participaram, ontem, da XXII Caminhada da Fraternidade, que celebra o Dia do Trabalhador na região do Cariri. A manifestação teve início no Crato, na Igreja de São Francisco, e percorreu as ruas da cidade até chegar ao Santuário de São Francisco, em Juazeiro do Norte. Neste ano, com a irregularidade das chuvas, os agricultores amargam uma das piores secas já registradas.

A safra está perdida em mais de 50% das culturas de milho e feijão, falta pasto para os animais e a pecuária enfrenta graves prejuízos. Segundo a agente da Pastoral da Terra, da Igreja Católica, Simone Machado Leite, além dos prejuízos, a seca está causando a vulnerabilidade sociopolítica dos agricultores. Para ela, os programas sociais do Governo Federal são insuficientes e não atendem as necessidades de todos os agricultores.

“Como neste ano teremos eleições, com as dificuldades geradas pela falta de chuvas, alguns políticos podem se aproveitar para comprar votos. Muitas vezes, os agricultores ficam sem opções e acabam aceitando o que lhes é oferecido. Estamos vivenciando a fase da indústria da seca. Infelizmente, as consequên-cias só aparecem depois”, disse.

Diante da falta de chuva, que já compromete os plantios de vários agricultores de base familiar na região do Cariri, a Pastoral da Terra da Diocese do Crato já está prestando assessoria e formação para fortalecer as lutas dos trabalhadores do campo. Neste ano, as ações estão sendo realizados em torno das famílias atingidas pelas obras da transposição das águas do Rio São Francisco.

A principal preocupação da Pastoral da Terra é com as pessoas da zona rural dos Municípios de Jati, Penaforte e Mauriti, que perderam suas terras e migraram para os centros das cidades, onde estão vivendo sem perspectivas de emprego e sem vínculos com as comunidades.

Soberania alimentar

Devido ao fato de muitos agricultores estarem sobrevivendo com pouca água armazenada em reservatórios domiciliares, açudes e lagoas, a Pastoral da Terra está abordando, atualmente, a soberania alimentar por meio dos quintais produtivos das mandalas existentes na região, e a captação de água das chuvas, depositada em cisternas.

Caso a seca se agrave ainda mais, a Pastoral prevê elaborar projetos para captar recursos financeiros que possam auxiliar os agricultores a suprirem suas carências no campo.

Ao longo do percurso de 15 quilômetros entre as duas cidades, os trabalhadores de vários seguimentos uniram suas reivindicações e pediram bênçãos para continuar a jornada. O objetivo da caminhada, que acontece desde 1990, é fortalecer os laços entre os trabalhadores das duas cidades, marcadas por divisões históricas, políticas e culturais.

Durante o percurso, o foco das abordagens dos trabalhadores foi tema da Campanha da Fraternidade, que neste ano é “Fraternidade e Saúde Pública: que a saúde se difunda sobre a Terra”. Diferente dos eventos alusivos à data realizados pelos movimentos sindicais, que geralmente abordam as dificuldades dos trabalhadores, a Caminhada da Fraternidade teve como foco as lutas e conquistas, com destaque para a dignidade do trabalhador. Para realizar o evento, a Igreja Católica teve o apoio das equipes de diversas pastorais de Juazeiro e Crato, da iniciativa privada e de órgãos do públicos, como Polícia Militar.

A partir de uma perspectiva libertadora e sob visão da Igreja Católica, os trabalhadores refletiram sobre sua importância social relacionada aos significados do valor do trabalho das mulheres e dos homens no Brasil, fizeram suas reivindicações e buscaram a igualdade entre as classes.

De acordo com o pároco da Paróquia de São Francisco de Assis, padre Marcondes Torquato, o tema da caminhada expressa a preocupação com a vida humana, ameaçada pelo descaso e pela precariedade em geral. “Queremos simplesmente fazer com que as pessoas percebam que as diferenças dificultam a nossa caminhada. Não gostaríamos que nenhum posicionamento político acentue essas desigualdades. Estamos buscando um caminho em que possamos andar lado a lado”, disse ele.

No próximo dia 27 de maio, no Município de Assaré, a Pastoral da Terra, em parceria com os sindicatos dos Trabalhadores Rurais, vai realizar a Celebração da Colheita. A missa será em agradecimento aos poucos grãos que os agricultores conseguiram tirar de seus roçados.

Mais informações:

Diocese da Igreja Católica no Crato, Rua Teófilo Siqueira 631, Centro
Região do Cariri
Telefone: (88) 3521.1110

Portal Verdes Mares

Nenhum comentário:

Postar um comentário