quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

INTOLERÂNCIA RELIGIOSA Grupos afros fazem ato em Juazeiro


Vestidos de branco, seguidores de religiões afros participam de caminhada em defesa dos grupos no Cariri
Clique para AmpliarJuazeiro do Norte. A cidade que tem a marca forte da religiosidade popular terá nas principais ruas do Centro da cidade, amanhã, a 2ª Caminhada de Combate à Intolerância Religiosa, que acontece a partir das 16 horas, com concentração às 15 horas, na Praça da Prefeitura.

O evento é uma promoção de diversas entidades e grupos de religião afro da região. Somente em Juazeiro do Norte são mais de 40 terreiros. Este ano, segundo os organizadores, também participarão grupos do Crato. A expectativa é de que participem da caminhada mais de 2 mil pessoas. A pretensão é que a data, nacional, passe a fazer parte do calendário de eventos da cidade cearense.

O Grupo de Valorização Negra do Cariri (Grunec) é uma das instituições à frente da caminhada. Segundo o integrante da Organização Não Governamental, professor Edilson Botelho Pereira Luna, o evento tem a finalidade de reunir o maior número possível de integrantes das religiões negras. 

É uma oportunidade de mostrar o misticismo religioso existente no Cariri. Ano passado, homens, mulheres, jovens e crianças saíram às ruas vestidos com roupas dos rituais do Candomblé, chamando a atenção da população de Juazeiro. Os participantes são convidados a vestirem branco durante o cortejo. Mas as baianas estarão também vestidas de branco, com turbantes e com colares de conta no pescoço.

No trio elétrico, o som dos tambores e a voz do canto que veio da África irá ecoar pela liberdade de culto sem preconceito. "Levar essas pessoas às ruas é uma questão de justiça. Temos uma dívida com os africanos. Investir é reconhecer", diz o professor.

Cultura de paz
A caminhada vai até a Praça Padre Cícero, onde haverá a apresentação dos grupos. Na tentativa de contribuir com uma cultura de paz por reconhecer a gravidade da discriminação religiosa, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou a Lei 11.635 de dezembro de 2007. 

A lei instaura o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa. A data é uma homenagem à memória de Mãe Gilda, da Bahia. Ela teve sua fotografia publicada em um jornal evangélico de grande circulação, em que foi associada ao charlatanismo. Fragilizada por esse atentado moral, a mãe de santo faleceu de infarto em 21 de janeiro de 2000.

MAIS INFORMAÇÕESGrupo de Valorização Negra do Cariri (Grunec), Rua Cel. Secundo, 263
Centro, Crato (CE) - Região Cariri
Telefone: (88) 3521.0486

Nenhum comentário:

Postar um comentário